LogoUT
  • ENTREVISTA: “O culpado da violência contra a mulher é o agressor”

    ENTREVISTA: “O culpado da violência contra a mulher é o agressor”

    A professora Karla de Souza Torres, da Unidade Curvelo, discorre sobre violência contra a mulher e suas implicações

     

    O Brasil está entre os países com maior índice de homicídios femininos, ocupando a quinta posição em um ranking com 83 nações, segundo dados do Mapa da Violência 2015 (Cebela/Flacso), que revelou ainda que, do total de feminicídios registrados em 2013 no país, 33,2% dos homicidas eram parceiros ou ex-parceiros das vítimas. Para a professora Karla de Souza Torres, da Unidade Curvelo, que desenvolve pesquisas sobre igualdade de gênero e é coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Gênero e Diversidade Sexual (NEGED), apesar de avanços no debate sobre o feminismo, as mulheres no Brasil continuam sendo vítimas de constantes ataques. “Embora haja variações, a violência afeta todas as classes sociais. A repercussão estimula o debate sobre a violência contra a mulher, no entanto, enquanto a sociedade não evoluir e perceber que o único culpado da violência é o próprio agressor, acredito que a discussão tende a caminhar em círculos e não levar realmente à solução do problema”. A professora concedeu uma entrevista ao site do CEFET-MG para falar sobre o tema.

    Quais os principais tipos de violência praticados contra a mulher no Brasil atualmente? Dentre esses, muito se tem noticiado sobre o feminicídio. O que é e em que contexto ele acontece?

    A Lei Maria da Penha, n° 11.340, define cinco tipos de violência: física, que é ferir e causar danos ao corpo com tapas, empurrões e outros; patrimonial, destruição de bens materiais, objetos, documentos etc.; sexual, quando o agressor obriga a vítima, a presenciar, manter ou a participar de relação sexual não desejada; moral, conduta que caracterize calúnia, difamação ou injúria; e psicológica ou emocional, caracterizada por conduta que resulte em dano emocional, como a diminuição da autoestima, coação, humilhações etc. Feminicídio é o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. Suas motivações mais comuns são o ódio, o desprezo ou o sentimento de perda do controle e da propriedade sobre elas, comuns em sociedades marcadas pelo machismo (a ideia de que o homem é superior à mulher) e pela misoginia (ódio contra a mulher). No Brasil, o cenário que mais preocupa é o do feminicídio cometido por parceiro íntimo, em contexto de violência doméstica e familiar, e que geralmente é precedido por outras formas de violência e, portanto, poderia ser evitado.


    Recentemente, dois casos de violência contra a mulher tiveram repercussão nacional, o de Três Corações (MG), em que um homem agride verbal e fisicamente uma segurança de um clube; e o de Campinas (SP), no qual o desfecho foi a morte de 12 pessoas de uma mesma família, sendo que o alvo principal era a ex-mulher do assassino. Até que ponto, em sua opinião, a repercussão de casos como esses na mídia e nas redes sociais contribui ou não para se discutir a violência contra a mulher?


    Infelizmente, casos como esses acontecem o tempo inteiro em nosso país, e é ainda mais triste ver como a sociedade resiste em perceber que a raiz desses tipos de problemas é o machismo e a misoginia. Uma compreensão equivocada e injusta de que homens têm direitos sobre o corpo e a vida da mulher. No dia 12 de janeiro, um policial matou a ex-namorada em São Paulo com 14 tiros por não aceitar o fim da relação entre eles. Esse é só mais um de tantos casos de feminicídio muitas vezes tratados como “crimes passionais”, chegando até a serem romantizados pela mídia, e não como o que realmente são, casos extremos de machismo e misoginia. E quando crimes como esses repercutem na mídia e nas redes sociais, muito ainda se discute sobre a culpabilidade da vítima: o que fez contra o agressor, como era sua vida sexual, como se comportava, vestia, agia, etc. Como se de alguma forma atrocidades como essas pudessem ser justificadas.


    O Brasil está entre os países com maior índice de homicídios femininos. O que cada um de nós pode fazer para reduzir esses dados?


    Ao presenciarmos uma violência contra a mulher, devemos realizar uma denúncia na Central de Atendimento à Mulher, discando 180, ou por meio do aplicativo “Clique 180”. Existem outros aplicativos que auxiliam no combate à violência contra a mulher, como o “Chega de Fiufiu”, uma plataforma colaborativa que permite mapear os pontos de risco para mulheres em todo o Brasil. Na medida do possível, também devemos oferecer apoio à vítima, deixando claro que ela não está sozinha. Nunca se deve julgar a mulher que permanece em uma relação violenta, mas procurar entendê-la e ajudá-la a sair da situação. Sem segurança e sem apoio, isso é muito difícil.


    Qual a importância de se abordar e debater sobre esse tema nas instituições de ensino? Quais trabalhos podem ser desenvolvidos com os jovens para minimizar as ocorrências de casos de violência contra a mulher?


    A necessidade é gritante e urgente. Somente com a educação e o diálogo sobre igualdade de gênero desde as fases iniciais da infância é possível prevenir a violência. Quando a violência de gênero acontece nas escolas e não é debatida e solucionada apropriadamente, crianças e adolescentes são impedidas de desenvolver seu potencial intelectual, gerando casos de depressão, agravando a situação da gravidez na adolescência e atrapalhando a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Trabalhar a igualdade de gênero nas escolas pode envolver atividades bem simples. Estimular que as crianças se divirtam juntas, sem fazer distinção entre elas, sem impor que brinquem com brinquedos e atividades separadas pelo gênero; promover rodas de conversa sobre assuntos polêmicos, debates sobre filmes, livros, imagens, etc.; realizar dinâmicas e brincadeiras que desconstruam papéis culturais, são coisas que podem ser desenvolvidas na prática, de maneira fluida.


    No caso da mulher que é agredida pelo companheiro ou por alguém da própria família, é possível que ela identifique sinais de que ali está um possível agressor?


    Sim. Em geral existe o chamado Ciclo de Violência, que é uma forma muito comum da violência se manifestar, geralmente entre casais. O ciclo começa com a fase da tensão, em que raivas, insultos e ameaças vão se acumulando. Em seguida, a agressão, com o descontrole e uma violenta explosão de toda a tensão acumulada. Depois, o fazer as pazes, em que há o pedido de perdão e a promessa de mudança de comportamento, ou então finge que nada aconteceu, mas fica mais calmo e carinhoso e a mulher acredita que aquilo não vai mais acontecer. Esse ciclo costuma se repetir, com episódios de violência cada vez mais graves e intervalo menor entre as fases. A maioria dos casos que terminam em morte ou agressões graves tem início com ameaças e atitudes que visam anular a autonomia da mulher, como crises exageradas de ciúmes e o desejo de controlar o que veste, com quem fala e aonde vai.


    A recente ascensão de um discurso conservador no Brasil, para você, tem contribuído ou endossado atos de violência contra a mulher?


    Acredito que sim. Entendo o discurso conservador como aquele que defende o status quo, ou seja, a manuntenção da situação existente ou o retorno a tradições e costumes de ordem estabelecida. O contexto de família tradicional define papéis fixos para os gêneros e se apoia na figura do patriarca tanto para estabelecer relações particulares quanto para ostentar figuras de liderança, reforçando a superioridade masculina e a submissão da mulher. O discurso conservador, principalmente o de fundo religioso, naturaliza o “papel da mulher” como cuidadora e sem autonomia do seu próprio corpo. Esse conservadorismo mantém valores historicamente construídos, como o machismo, a homofobia, o preconceito de classe, o preconceito étnico e é ameaçado pela emergência de posturas políticas desconstrutoras de alguns dos valores que se quer conservar. Nesse aspecto, a ascensão de um discurso conservador pode contribuir e endossar atos de violência contra a mulher por estimular a punição de mulheres que não se conformam em adotar um papel social tradicional.


    A Lei Maria da Penha, instituída em 2006, foi criada no Brasil com o intuito de coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Em sua opinião, houve avanços no rigor das punições dos crimes domésticos? Quais as lacunas da lei e o que precisa ser melhorado?


    Sim. A autora da lei, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) ressaltou que, nesses 10 anos, as pessoas passaram a confiar na possibilidade de serem protegidas. Levantou números como 300 mil vidas salvas, 90 mil prisões em flagrante e o aumento, de 2014 para 2015, das detenções, especialmente em função de uma forte campanha do Ligue 180, canal de denúncias. Nesses 10 anos, a lei contribuiu com a diminuição de cerca de 10% na taxa de homicídios contra as mulheres dentro das residências, segundo levantamento divulgado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea). Foram muitos os avanços construídos, a começar pela mudança de olhar sobre a questão de gênero que, antes da lei, era algo quase que invisível em nossos comportamentos. A partir daí, foram construídas políticas públicas, como a criação de juizados e varas especializadas para o processo e julgamento de casos de violência doméstica contra a mulher, delegacias especializadas, casas-abrigo e parcerias para a construção da autonomia financeira da mulher, entre outras. E ainda conseguimos avançar em relação ao reconhecimento da necessidade de reeducação e de tratamento do homem que se envolveu em situação de violência doméstica. Entretanto, um dos maiores problemas, abordados na própria lei, é a necessidade de se reeducar o agressor, justamente para evitar que a violência se reproduza em outros espaços e relacionamentos. É necessário ainda que seja dada prioridade a criação de casas-abrigo/passagem, a instalação de mais juizados e varas especializadas e de mais delegacias de polícia especializadas. Neste caso, imprescindível que sejam disponibilizados espaços adequados, implementado o atendimento 24 horas e em fins de semana e feriados, o que é uma raridade no nosso país, infelizmente. Inclusive, porque a delegacia ainda é a principal porta de entrada dessas mulheres, que, muitas vezes, lá comparecem imediatamente após ser violadas em seus direitos humanos. Ou seja, em situação de total vulnerabilidade. E se o acolhimento inicial falhar, ela não vai acreditar que a lei é capaz de protegê-la.


    Qual o papel do NEGED no que tange às discussões sobre violência contra a mulher? Onde acontecem os encontros do NEGED e quem pode participar das discussões do Núcleo?

    Dentre os principais objetivos do NEGED estão "promover o diálogo sobre gênero no ambiente acadêmico, propor políticas, programas, projetos e atividades que promovam a equidade de gênero e contribuir para a promoção da educação não sexista na Instituição". Nesse contexto, temos promovido atividades e campanhas que discutem o machismo e a equidade de gênero, como exposição de vídeos, campanha contra o assédio sexual e gincana de igualdade de gênero em que discentes do nível superior e técnico participam de atividades que visam fomentar a discussão e a sensibilidade para o assunto. Os encontros hoje acontecem somente na Unidade Curvelo, mas a ideia é que cada Unidade tenha seu próprio NEGED local para que haja descentralização e democratização das discussões. Qualquer pessoa da comunidade interna ou externa do CEFET-MG pode participar dos encontros. Contato: negedcefet@gmail.com.
     

     

    Secretaria de Comunicação Social / CEFET-MG
     

  • Quatro programas pós-graduação estão com vagas para isoladas

    Quatro programas pós-graduação estão com vagas para isoladas

    Educação Tecnológica, Engenharia Civil, Engenharia de Materiais e Estudos de Linguagens estão com ediais abertos para alunos especiais

    De acordo com o diretor-adjunto de Pesquisa e Pós-Graduação do CEFET-MG, professor Rodrigo Tomás Nogueira, “ser aluno especial de disciplinas isoladas da pós-graduação é uma boa oportunidade para conhecer melhor a dinâmica de um curso de mestrado ou doutorado, entender as linhas de pesquisa de cada Programa antes de entrar como aluno regular e se aproximar dos demais colegas e professores orientadores”.

    Educação Tecnológica

    A inscrição para isoladas no Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica ocorre nos dias 30 e 31 de janeiro, das 10h às 16h, na Secretaria do Programa (Av. Amazonas, 7.675, 5º andar, Nova Gameleira, Belo Horizonte, prédio anexo à Biblioteca). A inscrição pode, ainda, ser feita via Sedex. Entre as disciplinas com vagas abertas estão “Fundamentos da educação tecnológica”, “As novas tecnologias em ensino na educação tecnológica”, “Filosofia da ciência e da tecnologia”. O resultado final será divulgado no dia 15 de fevereiro. Acesse o edital e saiba quais os documentos necessários para se inscrever.

    O mestrado em Educação Tecnológica é um dos programas de pós-graduação mais antigos do CEFET-MG, tendo sido implementado em 2005. O corpo docente conta com professores doutores, o Programa é de natureza interdisciplinar, pois relaciona as áreas de Ciências Humanas, Ciências Exatas e Ciências Sociais Aplicadas. Conheça o curso.

    Engenharia Civil

    De 30 de janeiro a 3 de fevereiro, o Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil recebe inscrições para disciplinas isoladas. “Tecnologias das construções”, “Ciência dos materiais” e “Racionalização dos processos construtivos” são algumas das disciplinas em oferta para o primeiro semestre de 2017. Acesse a página do Programa e saiba os detalhes para se inscrever nas disciplinas.

    O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil visa capacitar, técnica e cientificamente, alunos para o exercício das atividades profissionais do ensino e da pesquisa na área específica de atuação do curso. Recentemente, a Capes aprovou a criação do doutorado em Engenharia Civil.

    Engenharia de Materiais

    Outro Programa com inscrições abertas para disciplinas isoladas é o de Engenharia de Materiais. “Biomateriais e engenharia dos tecidos”, “Gestão ambiental e responsabilidade social”, “Fundamentos da transformação mecânica dos metais” são algumas das disciplinas em oferta. As inscrições vão de 30 de janeiro a 2 de fevereiro. Para este primeiro semestre de 2017, o Programa disponibilizou 69 vagas para alunos especiais. Leia o edital para mais informações, como local de inscrição, documentos necessários etc.

    Estudos de Linguagens

    As inscrições para disciplinas isoladas do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens são de 1º a 3 de fevereiro. O Programa conta com os cursos de mestrado e doutorado e oferece disciplinas sobre letramento, tradução, tecnologia, discurso, poesia, edição de livros, entre outras temáticas. Acesse o edital e saiba as condições para se inscrever na seleção.

    Secretaria de Comunicação Social/CEFET-MG

     

  • Programa de Formação Pedagógica oferta 44 vagas

    Programa de Formação Pedagógica oferta 44 vagas

    Programa é voltado para quem já concluiu curso de graduação; inscrições vão até 25 de janeiro

     

    O Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes do CEFET-MG abriu inscrições para o primeiro semestre de 2017. O curso é ofertado em Belo Horizonte e é voltado para candidatos que já tenham concluído um curso de graduação, exceto licenciatura e curso de Pedagogia.

    As inscrições podem ser realizadas até o dia 25 de janeiro, pelo site da Comissão Permanente de Vestibular (Copeve). A seleção será constituída de duas fases classificatórias e eliminatórias: análise do curriculum vitae e prova escrita, a ser realizada em 5 de fevereiro.

    O resultado será divulgado em 15 de fevereiro.

    Sobre o Programa

    O Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes habilita os graduados para as disciplinas que integram as quatro séries finais do Ensino Fundamental, o Ensino Médio e a educação profissional em nível médio em Biologia, Física, Matemática, Química, Língua Portuguesa e nos Eixos Tecnológicos dos cursos ofertados pelo CEFET-MG. As aulas têm duração de um ano e são realizadas no período noturno no campus II do CEFET-MG.

    Serviço

    O quê: Processo seletivo para o Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes
    Quando: 19 de dezembro de 2016 a 25 de janeiro de 2017
    Onde: www.copeve.cefetmg.br
    Edital: https://goo.gl/ympdCN


    Secretaria de Comunicação Social / CEFET-MG

     

  • Edital convoca alunos do técnico para resolução de pendências

    Edital convoca alunos do técnico para resolução de pendências

    Convocação é para matriculados a partir de 21 de janeiro de 2004 e que ainda precisam cumprir requisitos para concluir o curso técnico

     

    Tendo em vista o prazo estabelecido nas Normas Acadêmicas para integralização dos cursos da educação profissional técnica de nível médio, foi publicado no DOU do dia 13 de julho de 2016 o edital nº 84/16, que convoca os alunos matriculados a partir de 21 de janeiro de 2004 até 24 de janeiro de 2014 para regularização de sua situação acadêmica e conclusão do curso.

    O prazo para realização do estágio e das outras disciplinas curriculares pendentes, inclusive a participação no Seminário de Conclusão encerra-se em 31 de maio de 2019. Os casos de pedidos de dispensa, aproveitamento de experiências profissionais e outros serão analisados de acordo com os critérios estabelecidos pelas normas acadêmicas vigentes. Já os casos omissos na legislação serão avaliados pelo Conselho de Educação Profissional e Tecnológica.

    Os pedidos devem ser protocolados na Unidade em que o aluno está vinculado, conforme orientação do setor, departamento e/ou coordenação envolvido, e a não solicitação no prazo estipulado implica desistência e desligamento do CEFET-MG.

    Para conhecimento do teor dos documentos em sua íntegra, acesse a Resolução CEPE-11/16, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que aprova a convocação, e o edital nº84/16.
     



Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Nam cursus. Morbi ut mi. Nullam enim leo, egestas id, condimentum at, laoreet mattis, massa.

Enquete

Durante sua formação escolar, quais atividades, além do ensino propriamente, você prioriza:

Habilite Cookies no seu navegador!
  •  atividades de pesquisa, como feiras, congressos, grupos de pesquisa etc.
  •  atividades extensionistas que proporcionem contato direto com a comunidade.
  •  atividades culturais e/ou extracurriculares.
  •  atividades profissionais e de estágio.
  •  somente o estudo; procuro não me envolver em outras atividades.

Favor escolher uma resposta

Voto efetuado com sucesso

Favor escolher uma resposta