LogoUT
  • Estudantes de baixa renda são maioria nas universidades

    Estudantes de baixa renda são maioria nas universidades

    Foi divulgada, no dia 18 de agosto, a IV Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras

    No relatório, estão presentes diversas características dos estudantes universitários e são apresentadas as mudanças no perfil dos alunos ao longo dos anos, especialmente após a utilização do Enem pelas Instituições Federais de Ensino, a adesão ao Sisu como critério de seleção e a vigência da Lei de Cotas, a partir de 2013.

    O documento, elaborado pelo Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis (Fonaprace), órgão vinculado à Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), contou com a colaboração de 130 mil discentes de 62 universidades federais de todas as regiões do país. No CEFET-MG, os alunos dos cursos superiores participaram da pesquisa entre novembro de 2014 e janeiro de 2015.

    De acordo com os dados do relatório, a universidade tem se tornado, ao longo dos anos, cada vez mais inclusiva, e refletido a realidade do povo brasileiro. O diagnóstico, realizado pela quarta vez, permite comparar o perfil dos alunos ao longo dos anos e as mudanças geradas a partir das políticas de democratização do acesso ao ensino, “que permitiram mais mobilidade territorial e justiça social e étnico-racial”, destaca no relatório Leonardo Barbosa e Silva, coordenador Nacional do Fonaprace.

    Inclusão étnico-racial

    As mudanças dos estudantes em termos de raça ou cor foram bastante significativas nos últimos 10 anos. Ao longo desse período, a fatia de alunos brancos deixou de ser 60% e passou a ser de 45%. Paralelamente, estudantes pardos e pretos passaram de 34,20% para 47,57%. De acordo com os organizadores da pesquisa, a adoção generalizada de Política de Cotas se destaca como evento mais marcante em capacidade de produzir essa nova dinâmica.

    Os dados já refletem uma universidade mais justa e inclusiva, uma vez que, segundo a última pesquisa divulgada pelo IBGE, em 2015, 53% dos brasileiros se declaram pardos ou negros. 

    Justiça social

    A Universidade pública e gratuita, nos últimos anos, vem atendendo àqueles que mais precisam. Entre 2010 e 2014, houve uma significativa evolução da proporção dos estudantes sem renda familiar ou com renda de até três salários mínimos. A proporção, que era de 40%, hoje já é de 51%. Além disso, triplicou, em número absoluto, o número de estudantes que não possuem ou não declararam renda familiar, passando de 3 mil para 10 mil graduandos.

    Com esses dados, é possível observar a importância das políticas de assistência estudantil das IFES, que atendem hoje 66% do total de estudantes do nível superior, sendo que, nas regiões Norte e Nordeste, esse universo ultrapassa 76% dos estudantes.

    Participação do CEFET-MG na pesquisa

    Voltada para os estudantes das universidades federais do país, o relatório contou também com a presença dos estudantes do CEFET-MG. De acordo com a secretária de Política Estudantil, Márcia Feres, que participou da elaboração da pesquisa, a participação dos estudantes como sujeito central nesse processo fortalece a luta pela democratização do acesso ao ensino superior e a permanente defesa de uma universidade pública, gratuita, democrática e popular.

    Fonaprace

    O Fórum, criado em 1987, é composto por pró-reitores, sub-reitores e decanos responsáveis pelos temas comunitários e estudantis das universidades federais. A pesquisa do perfil dos alunos da graduação foi realizada pela quarta vez em 2014. Anteriormente, ela havia sido feita em 1996/1997, 2003/2004 e em 2010.

    Saiba mais

    Consulte, na íntegra, a IV Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultura dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras.

    Secretaria de Comunicação Social/CEFET-MG, com informações da Andifes e da Secretaria de Política Estudantil

  • Tem início a construção do ginásio poliesportivo na Unidade Divinópolis

    Tem início a construção do ginásio poliesportivo na Unidade Divinópolis

    Com expectativas de suprir as demandas de espaço para aulas e eventos e oferecer um espaço de integração entre os estudantes da Unidade Divinópolis, a construção do ginásio poliesportivo vai começar

    As obras terão início, oficialmente, no dia 23 de agosto, com prazo de execução estipulado em 10 meses.

    O ginásio contará com quadra coberta para atividades pedagógicas e recreativas, arquibancada para um público de até 200 pessoas, banheiros e vestiários com acessibilidade para pessoas com necessidades especiais, escaninhos e duas salas de apoio, totalizando uma área de 1.300 metros quadrados.

    Serão realizadas também obras de urbanização no entorno do ginásio, com estacionamento, pavimentação de passeio e gramado.

    Atualmente, as atividades de Educação Física dos alunos do ensino integrado são realizadas em espaço alugado, portanto é uma conquista muito grande neste ano em que a Unidade completa 20 anos.

    De acordo com a diretora da Unidade Divinópolis, professora Sandra Vaz Martins, "o ginásio será destinado não só às aulas de Educação Física, mas aos eventos da Unidade Divinópolis, como Jogos Intercampi, Mostra Específica de Trabalhos e Aplicações, Semana de Arte e Cultura e outras atividades envolvendo toda a comunidade acadêmica."

    Secretaria de Comunicação Social/CEFET-MG
     

  • Edital convoca alunos do técnico para resolução de pendências

    Edital convoca alunos do técnico para resolução de pendências

    Convocação é válida para alunos matriculados a partir de 21 de janeiro de 2004 e que ainda precisam cumprir requisitos para a conclusão do curso técnico de nível médio

     

    Tendo em vista o prazo estabelecido nas Normas Acadêmicas para integralização dos cursos da educação profissional técnica de nível médio, foi publicado no DOU do dia 13 de julho de 2016 o edital nº 84/16, que convoca os alunos matriculados a partir de 21 de janeiro de 2004 até 24 de janeiro de 2014 para regularização de sua situação acadêmica e conclusão do curso.

    O prazo para realização do estágio e das outras disciplinas curriculares pendentes, inclusive a participação no Seminário de Conclusão encerra-se em 31 de maio de 2019. Os casos de pedidos de dispensa, aproveitamento de experiências profissionais e outros serão analisados de acordo com os critérios estabelecidos pelas normas acadêmicas vigentes. Já os casos omissos na legislação serão avaliados pelo Conselho de Educação Profissional e Tecnológica.

    Os pedidos devem ser protocolados na Unidade em que o aluno está vinculado, conforme orientação do setor, departamento e/ou coordenação envolvido, e a não solicitação no prazo estipulado implica desistência e desligamento do CEFET-MG.

    Para conhecimento do teor dos documentos em sua íntegra, acesse a Resolução CEPE-11/16, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que aprova a convocação, e o edital nº84/16.
     



Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Nam cursus. Morbi ut mi. Nullam enim leo, egestas id, condimentum at, laoreet mattis, massa.

Enquete

Durante sua formação escolar, quais atividades, além do ensino propriamente, você prioriza:

Habilite Cookies no seu navegador!
  •  atividades de pesquisa, como feiras, congressos, grupos de pesquisa etc.
  •  atividades extensionistas que proporcionem contato direto com a comunidade.
  •  atividades culturais e/ou extracurriculares.
  •  atividades profissionais e de estágio.
  •  somente o estudo; procuro não me envolver em outras atividades.

Favor escolher uma resposta

Voto efetuado com sucesso

Favor escolher uma resposta